• Início
  • /
  • Sobre
  • /
  • Meus Livros
  • /
  • Agenda
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Parcerias
  • /
  • Lojinha
  • /
  • Portífolio
  • /
  • Contato

  • Marley e Eu

    Sinopse


    John e Jenny eram jovens, apaixonados e estavam começando a sua vida juntos, sem grandes preocupações, até ao momento em que levaram para casa Marley, "um bola de pêlo amarelo em forma de cachorro", que, rapidamente, se transformou num labrador enorme e encorpado de 43 quilos. 


    Era um cão como não havia outro nas redondezas: arrombava portas, esgadanhava paredes, babava nas visitas, comia roupa do varal alheio e abocanhava tudo a que pudesse. De nada lhe valeram os tranqüilizantes receitados pelo veterinário, nem a "escola de boas maneiras", de onde, aliás, foi expulso. Mas, acima de tudo, Marley tinha um coração puro e a sua lealdade era incondicional. Imperdível.

    Eu sempre choro....
    Antes de falar do livro, deixa eu falar do filme. 
    Para quem não sabe eu sou apaixonada por cachorro, sou daquelas que para no meio da rua e mexe ou dá algo de comer aos pequenos cães desamparados. 
    Em 2008 eu fui com meu esposo assistir esse filme no cinema, quando meus amigos me disseram: "se prepara hein Dri", já fiquei meio receosa, era certo, eu ia chorar...  Mas fui, adorei o filme, ri com o Marley, e no final, me afundei em lágrimas, ainda bem que não fui a única, porque seria um "mico" tal. Lembrei demais da minha cachorrinha (depois eu falo dela).
    Aí, esse ano peguei, finalmente o livro para ler. Achei muito narrativo, e com raros diálogos, acho cansativo essa forma. Porém, não pude deixar de novamente, rir, e ficar emocionada com esse cão inesquecível. 
    Tudo ia bem, mas o final se aproximava... estava no ônibus conhecido como "frescão" aqui no Rio, aqueles de viagem, ainda bem que não tinha ninguém do meu lado, porque eu fiquei prendendo o choro. Mas não deu... chorei de novo, lembrei da minha cachorrinha que eu tanto amo. Como foi ruim! E por fim, não gostei do final do livro, diferente do filme. O filme retratou bem melhor um final perfeito, de um cachorro que teve uma história marcante e inesquecível.
    É um livro super fofo, e é claro que quem ama cachorro é fã de carteirinha de Marley e Eu.

    Mas...

    A finalidade dessa postagem, foi para mostrar e dizer, que, eu também tenho um "Marley" na minha vida, na qual eu amo de paixão, e não posso nem imaginar como seria a vida sem ela.
    Esquece! 

    Kiara e eu

    Ainda lembro com muito carinho no dia que ela chegou... minha Kiara. Me lembro como se fosse hoje...

    Era quase véspera de Natal, dia 23 de dezembro de 2004...

    Meu esposo assumiu uma vaga de trabalho lá no interior do ES, quase na divisa da Bahia. Uma cidadezinha daquelas que a rua principal é uma só, sabe? Eu que fui criada em cidade grande, quase pirei. Fiquei sozinha e morrendo de vontade de voltar para o RJ. Aí meu esposo (que é um fofo) resolveu me dar de Natal e de companhia, um cachorro (estava há quase 1 ano sem, já que o último havia morrido). 

    Fomos para uma cidade vizinha, eu pensei: "nunca que vamos achar um cachorro para comprar nesse fim de mundo!". Imagina, apenas duas lojas de animais. Como eu digo, quando é para ser, não tem jeito.
    Quando cheguei na primeira loja, vi aquele monte de bolinhas peludas amarelas, pulando e latindo. Meus olhos se encheram de água quando disse: "Ai meu Deus! Que coisinha mais fofa!", aquela voz irritante que nós mulheres fazemos diante de uma coisa totalmente fofa e gostosa. De repente todos ficaram quietos me olhando. Mas um, um me olhou e virou a cabecinha de lado, e ficou abanando a cauda e veio morder meus dedos. Por ser uma bolinha gorda e peluda, tropeçou por cima dos outros.
    _Que raça são? _perguntou meu esposo.
    _São sharpei com golden (golden retriever).
    A Adriana ainda estava lá emocionada, doida para pegar o cachorro no colo e apertar. Eles eram todos parecidos com chow-chow, até a língua azul eles tinham.
    _Quanto custam? _disse meu esposo.
    _220,00 cada _fiz careta.
    _Cachorrinho caro, amor _sussurrou ele para mim.
    _Mas, olha mô, são lindos! _disse com a voz aguda para convencê-lo.
    _Gostou desse? _meu ser se encheu de esperança e abri um sorriso enorme.
    _Posso ver esse aqui moço? _disse animada.
    Tinha cinco cachorrinhos, e o mais agitado foi o escolhido, ele estava mordendo minhas mãos ainda.
    Peguei ele no colo e abracei ele apertado, cheirava cachorro molhado, mas não me importei. Ergui ele e olhei seu sexo.
    _Ei! Espera aí! _sorri. _Você não é um cachorro! Você é uma cachorrinha!
    _Cachorra?! _disse meu esposo.
    _É mô, uma linda cachorrinha _disse emocionada abraçando ela de novo. 
    _Não disse que queria um cachorro?
    _É, eu disse, mas gostei dela!
    _Tem macho aí? _perguntou ele para o vendedor, coisa de homem afgh.
    _Tem sim, só tem ela e mais uma fêmea _disse o moço da loja.
    _Eu gostei dessa _sussurrei.
    _Então leva.
    O moço nos disse que ela precisava ser examinada por um veterinário antes de sair, e teria que tomar um banho. Isso é ótimo! Pensei.
    E no dia 24 de dezembro de 2004, aquela bolinha peluda entrou na nossa vida. Com apenas 3 meses de vida. É uma pena que eu não tinha nenhuma câmera fotográfica naquela época, adoraria mostrar o quanto ela era e continua linda.
    Os dias passam, os anos também, mas é impressionante que para quem ama cachorro, parece que quando nos lembramos dele, o tempo ficou parado.
    Adoraria que essas lindas criaturas de Deus vivessem por muitos e muitos anos, mais a idade deles caminha depressa, 7 para cada um ano nosso.
    Hoje a Kiarinha está com 6 anos, um pouco mais de quarenta se fosse humana. Desejo que ela esteja na família Brazil, ainda por mais, longos e lindos anos.
    Pois quando olho para trás, eu lembro, e vejo, em cada foto, que ela sempre esteve lá...
    Quantas vezes chorei com ela, quantas vezes a abracei, para quem sabe amenizar a saudade de quem estava longe. Quantas vezes briguei com ela, quando fazia bagunça. Quantas vezes percebi na minha difícil gravidez do primeiro filho, que ela sempre estava lá, não sabia dizer nada, mais sua companhia dizia tudo.
    Fico emocionada por falar, e fico imensamente feliz, de saber, que ela está ali, deitada na sala, dormindo e me fazendo companhia. E que na história da minha família, ela sempre esteve presente...








    Amamos você Kiara! Acho que daria um livro nossa vida ao lado da melhor cachorrinha do mundo!



    *Nota: Nenhuma foto pode ser reproduzida sem autorização de Adriana Brazil


    16 comentários :

    Raphaela disse...

    Tenho o livro, mas ainda nao deu tempo de ler ;/
    Já assisti oo filme e choreeei horrores!!! É tãão lindo *-*

    Quanto a sua Kiara.. ela é LINDA!!
    Eu tenho um cachorro de pelucia que parece ela hahaha..

    Beeeijo

    Eliane disse...

    Ai Adriana, que post lindo. Fiquei emocionada. Eu só tive um gatinho de estimação e tivemos que sacrificá-lo pq um vizinho malvado afundou o focinho dele. Ele tava sofrendo demais, então não havia saida. E depois dele não tivemos mais nenhum bichinho, pq dói demais quando eles morrem, né.

    Beijo

    Eliane (Leituras de Eliane)

    Adriana Brazil disse...

    Olá meninas! Adorei conhecer vcs pelo Twitter \o/
    Ela é mesmo igual um ursinho Rapha! Linda!
    Ah sim Eliane, dói demais quando eles partem, parece um membro da família. Peço a Deus que a minha viva por anos e anos ainda!
    bjs

    Diego disse...

    Marley e Eu é realmente muito bom!

    E a Kiara é linda!

    Érica Lopes disse...

    Oh que fofo Dri!

    Ela é realmente linda!

    Quanto ao filme, chorei horrores é simplesmente lindo!

    Adorei o post!

    Beijokas

    Nanda Meireles disse...

    Ainnn, que fofa!

    Eu já tive uma cadela chamada Kiara. Era uma bagunceira, rs.

    Quero ler esse livro...

    Bju

    apaixonadaporromances.com.br disse...

    Preciso ler esse livro, tenho ele está em algum lugar aqui em casa, pois estava emprestado. Não tenho animal de estimação mas quando os meus amigos viajam, fico com papagaio, cachorro, gato até peixe kkkk.

    Beijos

    Neiva Meriele disse...

    Ah Dri, já te disse mil vezes que acho a Kiara uma fofura né? Gato preto pro meu sogro que não deixa eu ter cachorro dentro de casa, eu amo eles. Tenho um collie mas ta na rua tadinho. Amei a postagem, beijinho amiga.

    Srta. Bibliófila disse...

    Amei esse livro, engraçado e tocante...
    Sua cachorra é uma fofura! *-*
    Beijos

    Srta. Bibliófila disse...

    Amei esse livro, engraçado e tocante...
    Sua cachorra é uma fofura! *-*
    Beijos

    Karine Marinho disse...

    Ah, sou apaixonada por esse livro/filme, completamente apaixonada. Eu tenho uma também, mas é pequeninhinha, ela diferente da sua demostrou ser uma cachorra tão quietinha quando fomos compra-la, mas só tava assim porque tava muito doente (até hoje me pergunto o que teria acontecido com ela se não tivessemos a comprado), hoje ela é uma pestinha que me deu de presente uma "covinha" do lado da boca e duas vacinas anti rabicas, tirando as outras constante mordidas, mas é ela que não sai do meu lado quando tô passando mal. Acho que o cachorro depois que se apega a ele é impossivel viver sem.
    Beijos,K.
    Girl Spoiled
    P.S: Sua cachorrinha é LINDA! *--*

    Lu disse...

    Nunca li o livro, mas o filme é perfeitooooo. Chorei demais com ele. Eu tambem sou apaixonadaa por cachorros, muito mesmo. Pena que minha mãe não me deixa ter eles.. Mas enfim, adorei a resenha. Beijão.

    Luiza,
    Express Coffee

    Evila Lima disse...

    Ja lii o livro e o filme..e sempre choroo qndo termino de ler ou de ver! PQ isso é reaal, esse amor que sentimoos ele é reaal! hoje estou londe de minha filha(cadela) kk..e choro..choro mesmoo..de saudadee!

    Ahtange Ferreira disse...

    Amei o post Dri, que coisa mais fofa.
    Não li o livro ainda, mais vou assim que for possível.

    Ká Guimaraes disse...

    O que faler o MARLEY que eu me lembrei do meu Maylon, sim ele era um labrador igual o Marley até nas manias, corando no momento.
    Faz um ano que o maylon se foi ai que triste né, foi horrivel depois te conto.
    A kira é linda miga, e o Lucas baby, eu quero um kkkkkkk

    bjksss post lindo mesmo

    hinasama disse...

    Genteeeee, que lindaaaaaaa *-*
    Nossa, eu sou totalmente apaixonada pelos meus cachorrinhos... Um foi presente de um amigo da minha mãe e outra adotamos, estava na rua abandonada e pegamos ela. Ambos são SRD (Sem Raça Definida), vira-lata mesmo, hehehe! Não consigo imaginar uma vida sem eles, estão sempre lá com aqueles olhinhos transbordando amor :D
    Amei o post!

     
    © Autora Adriana Brazil- 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: MK Designer e Layouts. Tecnologia do Blogger. imagem-logo